Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Arquivo de postagens

São Leandro de Sevilha

São Leandro de Sevilha

Hoje, 13 de março, comemora-se a memória de São Leandro, arcebispo de Sevilha. Irmão dos também santos Fulgêncio, Florentina e Isidoro (do qual foi preceptor), foi primeiro monge e depois bispo metropolitano da Bética (região sul da Hispânia, abrangendo parte das atuais Andaluzia e Extremadura).

Segundo santo Isidoro, Leandro “era homem de condição pacífica, de extraordinária inteligência e de preclaríssima moralidade e doutrina. A conversão dos visigodos, da heresia ariana à fé católica, foi fruto de sua constância e prudência. Antes havia sofrido o desterro, e aproveitou esse tempo para redigir dois volumes contra os arianos e uma exortação, a sua irmã Florentina, sobre a vida consagrada e o desprezo do mundo.

“Trabalhou assiduamente na restauração litúrgica, fixou o saltério e compôs sentidas melodias para a santa missa, laudes e salmos. Escreveu várias cartas ao papa Gregório [Magno], a seu próprio irmão e a vários prelados.” Leandro presidiu o III Concílio de Toledo, no qual foi reconquistada a unidade da Igreja na Hispânia. Teve papel importante na inclusão da cláusula Filioque na variante hispânica do credo niceno-constantinopolitano (“creio no Espírito Santo […] que procede do Pai e do Filho”), depois adotada na liturgia romana.

Oração: Ó Deus, que por meio de teu bispo são Leandro mantiveste em tua Igreja a integridade da fé, concede a teu povo permanecer sempre livre de todos os erros. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

História da Igreja: poder e reforma na Inglaterra

Um dos objetivos da reformulação do Caritas in Veritate era que eu pudesse escrever artigos e ensaios mais aprofundados sobre história da Igreja. Hoje esse objetivo foi realizado: publiquei o artigo Poder e reforma na Inglaterra. Ele trata de um tema espinhoso, que é a reforma protestante, indicando a ligação com as disputas políticas na época, especialmente na ilha européia. Não que os únicos interesses fossem políticos, mas estes tiveram papel fundamental para que as diferentes doutrinas sobrevivessem e permanecessem até hoje. Para que a unidade dos cristãos seja novamente uma realidade, é preciso investigar as causas da separação, e isso deve ser feito no amor e na verdade para que seja verdadeira comunhão no único Espírito do mesmo Cristo, Filho Unigênito do Pai.

Leia Poder e reforma na Inglaterra.

A possibilidade histórica do diálogo marxismo-cristianismo

Quando se fala em diálogo, pressupõe-se a existência de duas partes, muitas vezes discordantes. É o caso do possível diálogo marxismo-cristianismo – há diferenças fundamentais entre um e outro, especialmente quando pensamos no “marxismo como era concebido“, o qual será sempre uma referência quando nos dispusermos a analisar as possibilidades de alteração nessa relação.

O marxismo, porém, já atravessou muitas mudanças, inclusive para poder explicar a sociedade como se propõe. A primeira grande mudança foi o desenvolvimento do conceito de “imperialismo” por Vladímir Ílitch Lênin, na época da I Guerra Mundial. Depois, vemos a adoção, em diferentes países, de diferentes táticas revolucionárias, da mera tomada de poder (seguida da resistência ferrenha dos antigos poderosos e da intromissão das potências que haviam lutado na I Guerra), como na Rússia, à guerra popular prolongada chinesa e o foquismo de raiz cubana. Todas essas vertentes disputaram ferrenhamente a primazia entre os marxistas como “caminho único” para o socialismo. Com a crise do socialismo a partir da queda dos regimes do leste europeu, esse cenário se alterou profundamente, a ponto de o chamado “marxismo do século XXI” ser necessariamente vinculado às realidades nacionais, seja no Brasil, na Venezuela ou em outros países em que esse termo foi adotado.

São essas mudanças que me animam à possibilidade de dialogar, como sugerido pelo papa Bento XVI em sua viagem a Cuba. Lá mesmo encontramos diversas mudanças, como um Estado que deixou de ser oficialmente ateu e mantém boas relações com a Igreja Católica. Na China, país com muitos problemas históricos relativos ao que – sobretudo no período maoista – era visto como de origem externa, temos relações com o Vaticano que ora avançam, ora regridem, mas que, numa perspectiva de longo prazo, têm melhorado. Tudo isso aponta para um afrouxamento do antigo ateísmo.

Aqui no Brasil, o PCdoB – partido que já em 1945 defendia a liberdade religiosa – coloca em sua ficha de filiação a opção de o futuro militante declarar que atua em “movimento religioso”, considerado uma expressão da sociedade.

Vejo isso tudo com otimismo. Sei que há muitas resistências a mudanças no marxismo, especialmente da parte dos pequenos grupos sectários. Sei também que há muita negatividade de ambos os lados em relação a esse diálogo. E sei, por fim, que há ainda muitos ateus militantes entre os marxistas. Contudo, uma das qualidades do método marxista é a sua historicidade, e posso tranqüilamente dizer que também a doutrina social da Igreja partilha do conhecimento da historicidade das coisas de que trata. Ou seja, há de ambos os lados o reconhecimento de que a humanidade não é estática, fadada a permanecer sempre nos velhos antagonismos. E a crise do socialismo abriu o espaço necessário às mudanças de que o marxismo tanto necessita, especialmente a abertura à transcendência do homem, raiz de seus problemas.

O Terceiro Reich e o mal

O texto que transcreverei a seguir é quase um tratado de demonologia política. Meu propósito em publicá-lo aqui, porém, não é dizer que a política deva ser abominada, ou que todo mal seria uma questão de influência demoníaca – até porque a humanidade já tem causado muito mal por si só. Contudo, como historiador, nunca consegui explicar adequadamente como os nazistas conseguiram não apenas tomar o poder na Alemanha, mas também impor uma ideologia de ódio absoluto.

É verdade que a Alemanha não se resume, nem se resumiu ao nazismo. Nessa mesma época, vemos heróis e mártires como santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein, doutora em filosofia, judia e convertida do ateísmo para o cristianismo, assassinada em Auschwitz-Birkenau) e muitos outros, alguns famosos, mas muitos anônimos. Ainda assim, o nazismo conseguiu implementar com sucesso um Estado movido a ódio.

É bem verdade que esse fenômeno surgiu numa sociedade imbuída de um antissemitismo atroz e antigo, profundamente enraizado em sua cultura. Contudo, não foram só os semitas as vítimas do nazismo. As primeiras foram os comunistas, depois vieram os ciganos, os homossexuais, os judeus… Enfim, uma política de ódio, e que conquistou, pregando o ódio, um terço dos eleitores alemães.

Esse texto também ilustra algumas questões que certos cristãos insistem em não ver, e assim não distinguir bem entre o mal absoluto e boas intenções que por vezes se desviam até mesmo pela falta de apoio e diálogo mais intenso dos cristãos em geral – além de condições históricas muito difíceis de superar.

Vamos logo ao texto, um trecho de Summa daemoniaca, do padre José Antonio Fortea, teólogo e exorcista na dioecese de Alcalá de Henares, na Espanha. A edição é a de 2010, pela editora Palavra e Prece.

O Terceiro Reich e o mal

Há muitos estudos sobre a Alemanha nacional-socialista, estudos políticos, econômicos, sociais, militares… mas se houver uma análise da realidade que é essencial e inevitável será a análise da religião. Em minha opinião, a Alemanha de Hitler é o exemplo mais claro de como o mal pode estender-se não apenas a indivíduos, mas a toda uma sociedade, e iniciar um processo de degradação moral crescente cada vez mais aberrante. Houve outras sociedades em que o mal assumiu seu poder, mas o Terceiro Reich foi a versão mais completa de toda uma nação mergulhada nas trevas da iniquidade.

É importante deixar claro que, para o mal tomar as rédeas de uma sociedade, sem impedimentos, não é necessário que todos os cidadãos compartilhem desse mal. É suficiente que uma certa porcentagem de cidadãos plenamente em degradação, alcancem o que chamamos de uma massa crítica, cuja força joga a sociedade no abismo. Por exemplo, basta que 25% dos habitantes de uma nação sejam completamente dominados pelo mal, para que essa quarta parte da população convença a outra parte a apoiá-la, e, por sua vez, contamine a outra quarta parte. Nunca uma sociedade vai sucumbir aos 100%. A percentagem de totalmente envenenados por uma doutrina será sempre muito inferior a dos parcialmente intoxicados. E a parte dos que se calarão será consideravelmente maior. Sempre que falamos sobre a Alemanha de Hitler falamos de uma situação geográfica e temporal, e mesmo no auge do nacional-socialismo foram inúmeros os que nunca apoiaram o programa. Deve ser lembrado que, antes de Hitler chegar ao poder, nunca conseguiu atingir mais de 37% dos votos em eleições livres. Mas alcançada a massa crítica, como infelizmente aconteceu: os 63% da população restante (querendo ou não) foram arrastados para o abismo nos anos seguintes.

Feitas essas considerações, acredito que a sociedade de Hitler trouxe consigo um mal muito maior do que trouxe a União Soviética. O marxismo sempre foi uma doutrina mais benigna que o nacional socialismo. Marx sempre foi melhor do que Nietzche. Pelo menos Marx procurou o bem dos pobres, uma sociedade justa. O nacional-socialismo, doutrina verdadeiramente demoníaca, nunca buscou isso. Desde o início, nunca escondeu a sociedade que pretendia no futuro, uma sociedade em que uns povos se submeteriam a outros povos, uma nova ordem na qual as elites dominariam, inclusive, o resto da população alemã. Uma sociedade militarista na qual as camadas mais fracas da população deveriam sucumbir pelo bem de uma nova ordem que foi apresentada a todos. O nacional-socialismo promoveu o ocultismo dentro das SS, começou uma verdadeira idolatria ao Fuhrer, ensinou as pessoas a violar os valores da religião como valores burgueses, rejeitou os Dez Mandamentos como os inconvenientes de uma mentalidade fraca. Se o marxismo trouxe uma opressão terrível, uma espantosa perseguição, do ponto de vista intelectual, o nacional-socialismo era uma doutrina que parecia ter sido tirada do Inferno e ensinada pelos próprios demônios. Na verdade, os campos de concentração não foram outra coisa que simplesmente a construção de infernos em miniatura, onde homens-demônios destruíam o homem moldado à imagem de Deus. O fato de que os uniformes da SS eram todos pretos, que tinha uma caveira sobre seus bonés e uma nova cruz (que não era cristã), em seus braceletes não eram casualidades para os crentes. Os membros das SS, que seriam a elite da Nova Ordem, aprendizes de assassinos, aprendizes de bruxos, inimigos ferozes do cristianismo, estavam debaixo das ordens desse arquidemônio que era Heinrich Himmler. Embora ao ler a biografia desses dois homens, Hitler e Himmler, claramente se descobrirá como o último, todavia, estava abaixo da maldade de seu Führer que exerceu algo parecido a um encantamento, um feitiço que subjugou com os laços da mentira as almas de toda a condição.

Aos olhos de Hitler se concentravam os destinos indubitáveis de uma iniquidade como poucas vezes foi vista. Sua boca tornou-se a boca através da qual o mal falava. Nos filmes ele é visto acariciando uma criança, sorrindo para uma garota que lhe dá um buquê de flores, mas por detrás desse sorriso há um rosto e um olhar para arrogância em vigor, ódio crueldade, raiva, mentiras, a rejeição de Deus, todos os pecados.

Podemos ver uma parte de tudo isso em Stalin, um terrível Pol-Pot, podemos vislumbrar um esboço do Terceiro Reich na Revolução Francesa, em fogo e sangue das colunas de dezenas de milhares de homens enviados para a morte, tudo para a glória de uma França napoleônica. Mas o modelo mais perfeito de domínio do mal encontra-se entre 1933 e 1945 na Alemanha. Um mal que não foi obra de um homem, mas o fruto da loucura coletiva que os homens, infelizmente, construíram.

Esse império perfeito do mal, tudo de “perfeito” que esse império pode se tornar no mundo teve um dos protagonistas mais conhecidos perto das informações de como o Terceiro Reich foi, antes de tudo, uma questão moral, religiosa espiritual.

Peter Padfield, em sua magnífica biografia de Himmler, iniciou seu livro de 840 páginas apresentando o futuro fundador das SS quando pequeno, como coroinha em um santuário na Baviera. E ele escreveu:

Imaginei o jovem Heinrich Himmler quando o coral de crianças se juntava à procissão. Eles vestiam roupas brancas e tinham os olhos muito graves. (…) Quando era um jovem de dezenove anos, havia escrito em seu diário: “Aconteça o que acontecer, Deus sempre te amarei e rezarei e obedecerei e defenderei a Igreja Católica, mesmo caso seja expulso dela”.

A verdade é que logo encontrou outra fé oposta à Igreja, expulsou-se voluntariamente e logo a atacou com todas suas forças, declarando que os sacerdotes eram o maior câncer que um povo podia sofrer.”(1)

A questão é se não haveria uma maneira de evitar essa situação, pois o que aconteceu a um bom menino para que se transformasse num demônio? A resposta é repetida ao longo de dois mil anos nos livros de espiritualidade e moral da Igreja. Talvez essa apelação para os elementos cristãos para compreender o III Reich pode parecer a alguns a deformação destas linhas pelo autor, por se tratar de um padre. Mas, ao contrário, longe de ser um complemento aos elementos que distorce nossa visão objetiva sobre o assunto, envolvendo alguns elementos essenciais para compreender o que realmente tinham em mente os autores da Nova Ordem. E para isso, entre os inúmeros exemplos que poderia oferecer deixo aqui apenas uma amostra.

Em 12 de setembro de 1944, quando a guerra já estava perdida e as tropas se retiraram, Kersten, médico pessoal do Chefe Supremo das SS, “fez um pedido de clemência para um grupo de 27 sacerdotes. No decurso da discussão, Himmler confessou o erro que fizeram os nazistas ao atacar a Igreja. Tornara-se claro que era mais forte do que eles e o partido e perguntou: “quando eu estiver morto, os sacerdotes também rezarão por minha alma?”(2)

Essa questão parecia a maior ironia que a história poderia render. Mas não foi só ele; Canaris no final do regime passava horas rezando em igrejas católicas. Ao contrário, Hitler foi visto ocasionalmente andando furioso e espumando pela boca.(3)

Em 1943, duas semanas após a queda de Stalingrado, o grupo chamado The White Rose imprimiu milhares de panfletos e jogou-os no pátio da Universidade de Munique. A Rosa Branca era um grupo cristão que atuou na universidade como um exemplo dos milhares de heróis alemães que fazia parte da mais nobre ala da Alemanha que nunca apoiou Hitler. Esse grupo escreveu nestes panfletos, as seguintes palavras, que são a mais lúcida síntese que já li sobre o que foi o nacional-socialismo: “Quem contou os mortos, Hitler ou Goebbels? Certamente, nenhum dos dois. (…) A dor atravessa as casas de campo da Pátria-mãe, e ninguém limpou as lágrimas das mães, mas Hitler mente àqueles que ele tomou o seu tesouro mais precioso e que levou a uma morte sem sentido. Todas as palavras que saem da boca de Hitler são mentiras. Quando diz ‘paz’, refere-se à guerra, e se da forma mais sacrílega usa o nome do Todo-Poderoso, refere-se ao poder do mal, o anjo caído, Satanás. Sua boca é a porta fedorenta do Inferno e o seu poder é degradante. Certamente, temos que travar uma batalha contra o terrorismo de Estado nacional-socialista com todos os meios à nossa disposição racional, mas quem ainda abriga qualquer dúvida sobre a existência de poderes demoníacos absolutamente ignorou o fundo metafísico dessa guerra. Por trás do concreto, por trás das percepções materiais, por trás de todas as considerações expositivas e lógicas está escondido o irracional, ou seja, a batalha contra o demônio, contra os emissários do Anticristo.”(4)

Sim, nessa guerra que estava sendo travada na Europa e em outras partes do mundo houve muitas batalhas menores, mas a síntese de tudo, o fundo de tudo, estava na guerra entre o bem e o mal, entre os apoiadores da Árvore da Vida e os seguidores da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. O conteúdo daquele folheto, que resultou na morte após terríveis torturas dos dois irmãos autores do texto, foi a síntese mais lúcida do que estava acontecendo na Europa Central. A raiz de tudo aquilo era a essência moral, o resto eram questões acidentais. Por trás do concreto, por trás dos personagens, por trás das razões menores, estava a luta entre duas visões de mundo: a visão cristã e a visão de um mundo sem Deus nem moral. Em meio a essa luta, não poderia caber meias medidas nem neutralidades, uma das duas visões de mundo e da história prevalecia sobre a outra no Velho Continente. O silêncio seria culpado. A história não perdoaria o silêncio. Graças a Deus, a semente mais perniciosa foi erradicada na base de muito sangue, mas a história teria sido diferente se alguns homens em vários países optassem por ceder, não se opor, não lutar quando já não resta mais nada a não ser lutar. Se os Estados Unidos tivessem se abstido do problema se o Reino Unido tivesse acordado uma “paz honrosa”, se alguns homens influentes optassem por uma via mais confortável, para o bem, a curto prazo; então uma nova mentalidade teria lançado suas raízes na mesma terra que viu erguer catedral atrás de catedral.

Que uma nação civilizada e culta como a Alemanha pré-Hitler, defensora dos valores da razão, cultivadora da herança clássica, de repente, caísse sob a escuridão, nos lembra que qualquer sociedade que se afaste do caminho do bem, a qualquer tempo pode cair aos encantos da iniquidade. O III Reich é um aviso, um lembrete do que aconteceu com eles, pode de novo para nós. Somos muito condescendentes com o mal da sociedade, quando este se torna generalizado. Não percebemos que a cada renúncia ao que é o caminho certo da Lei Natural, estamos um passo mais perto da situação de uma nação enfraquecida na sua consciência, que como um corpo doente, pode sucumbir à doença, em uma nova noite.

(1) Peter Padfield, Himmler, p. 3 (Madri: Editorial La Esfera de Los Livros, 2003).
(2) Peter Padfield, Himmler, p. 678 (os dados foram retirados de A. Besgen, Der stille Befehl, 12.09.1944, Munique, 1960, p. 35).
(3) Peter Padfield, Himmler, p. 642.
(4) Peter Padfield, Himmler, p. 538.