Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Arquivo de postagens

O Advento de Jesus Cristo

Embed from Getty Images

Estamos no tempo do Advento. Nele vivemos, é claro, a alegre expectativa do nascimento de Jesus Cristo. Mas, não só isso. Nele nos preparamos para a segunda vinda, gloriosa, de Jesus, que virá para julgar os vivos e os mortos. Não é à toa que a cor litúrgica é a roxa: a mesma cor da quaresma, a preparação para a morte e ressurreição do Cristo. Acompanhemos a Liturgia — nesse tempo, “as leituras do Evangelho têm uma característica própria: refere-se à vinda do Senhor no final dos tempos (primeiro domingo), a João Batista (segundo e terceiro domingos), aos acontecimentos que preparam de perto o nascimento do Senhor (quarto domingo).” (Introdução ao Lecionário, n.º 93)

No primeiro domingo:

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas. Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima.

Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das preocupações da vida, e esse dia não caia de repente sobre vós; pois esse dia cairá como uma armadilha sobre todos os habitantes de toda a terra. Portanto, ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficardes em pé diante do Filho do Homem. (Lc 21,25-28.34-36)

Do segundo domingo:

E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados, como está escrito no Livro das palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus”. (Lc 3,1-6)

Do terceiro domingo:

Por isso, João declarou a todos: “Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. Ele virá com a pá na mão: vai limpar sua eira e recolher o trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga.” (Lc 3,16s)

E, finalmente, do quarto domingo:

Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou:

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar?
Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu.” (Lc 1,39-45)

Como vemos, o Evangelho do primeiro domingo diz claramente que Jesus virá, e insta à conversão, à preparação para o momento em que ficaremos diante do Cristo Juiz: “ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficardes em pé diante do Filho do Homem”.

Na proclamação do terceiro domingo, de forma semelhante, João Batista afirma: “Ele virá com a pá na mão: vai limpar sua eira e recolher o trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga.” Esse não é o momento da manjedoura, mas o momento da vinda gloriosa, o momento do julgamento. É preciso ser dócil ao ensinamento divino e buscar a conversão, pois “Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo“, isto é, seremos mergulhados no Espírito Santo (pelo batismo sacramental) e também no fogo da provação, para nos purificarmos. E, no segundo domingo, vemos que São João Batista pregava a conversão do coração, lembrando as palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus” — devemos preparar o nosso coração para a chegada do Cristo Salvador.

No quarto domingo, enfim, temos o momento da expectativa pela chegada iminente do Menino-Deus, quando São João Batista pula dentro do ventre de Santa Isabel à chegada do Messias e de sua mãe, a Virgem Maria. No Evangelho lemos então um dizer importante nas palavras da prima de Nossa Senhora: “Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. Claro que isso valia imediatamente para a Mãe de Deus. Mas, vale também para nós, agora: se acreditarmos e nos mantivermos firmes na fé, no que já aconteceu quando Jesus Cristo estava neste mundo, no que acontece hoje na Igreja, e na promessa do Céu, então isso tudo será cumprido e veremos em plenitude a glória de Deus.

Assim seja!

São José Operário

Hoje, dia do trabalho, é dia de refletir sobre o mistério do homem participando da criação de Deus. É nesse dia que celebramos a memória de S. José, esposo da Virgem Maria, sob o aspecto do trabalhador. Interessante refletir sobre o hino das laudes:

Anuncia a aurora do dia,
chama todos ao trabalho;
como outrora em Nazaré,
já se escutam serra e malho.

Salve, ó chefe de família!
Que mistério tão profundo
ver que ensinas teu ofício
a quem fez e salva o mundo!

Habitando agora o alto
com a Esposa e o Salvador,
vem e assiste aqui na terra
todo pobre e sofredor!

Ganhe o pobre um bom salário,
e feliz seja em seu lar;
gozem todos de saúde
com modéstia e bem-estar.

São José, roga por nós
à Trindade que é um só Deus;
encaminha os nossos passos,
guia a todos para os céus.

Quando Deus criou o mundo, disse ao homem: “Frutificai – disse ele – e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.” (Gn 1,28b-c) Aliás, “o Senhor Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden, para cultivar o solo e o guardar.” (Gn 2,15) Sem o homem, a terra seria vazia e estéril (Gn 2,5). Quando, porém, o homem e a mulher pecaram, o trabalho, que deveria ser participação alegre e suave na obra divina, se tornou penoso, e o objeto do trabalho, como que um inimigo diante do homem (Gn 3,17-19).

O trabalho, pois, deve ser digna participação na obra divina, e tudo aquilo que o torna penoso é participação no pecado. A importância do trabalho é tamanha que o próprio Deus quis se tornar um trabalhador. Os governos e empregadores devem se esforçar ao máximo para que os trabalhadores tenham dignas condições de vida e de trabalho, e os trabalhadores devem procurar tais condições com alegria e altivez, pois tomam parte da obra de Deus. Neste ano de eleições, esse é um dos aspectos que devemos considerar ao escolher nossos candidatos, ao lado da defesa da vida, do nascituro, da infância, do meio ambiente, da dignidade da condição humana em geral, assim como da liberdade de consciência e de religião, para que possamos sempre professar nossa fé com liberdade e em público.

Para finalizar, deixo aqui as preces e a oração do dia (chamada coleta) para as laudes de hoje:

Oremos humildemente ao Senhor, de quem procede toda perfeição e santidade dos justos; e digamos:
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Senhor Deus, que chamastes os nossos pais na fé para caminharem na vossa presença com um coração perfeito, fazei que, seguindo os seus passos, alcancemos a perfeição de acordo com a vossa vontade.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Vós, que escolhestes São José, homem justo, para cuidar de vosso Filho na infância e juventude, fazei que sirvamos em nossos irmãos e irmãs o Corpo místico de Cristo.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Vós, que destes a terra aos seres humanos para que a povoassem e dominassem, ensinai-nos a trabalhar corajosamente neste mundo, buscando sempre a vossa glória.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Pai de todos nós, lembrai-vos da obra de vossas mãos, e dai a todos trabalho e condições de vida digna.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!

E agora, obedientes à vontade de nosso Senhor Jesus Cristo,ousamos dizer:
Pai nosso que estais nos céus,
santificado seja o vosso nome;
venha a nós o vosso reino,
seja feita a vossa vontade,
assim na terra como no céu;
o pão nosso de cada dia nos dai hoje;
perdoai-nos as nossas ofensas,
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do mal.

Oremos:
Ó Deus, criador do universo, que destes aos homens a lei do trabalho, concedei-nos, pelo exemplo e a proteção de São José, cumprir as nossas tarefas e alcançar os prêmios prometidos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Natal em nossas vidas!

Primeiro, claro, um feliz natal a todos vocês! Hoje, 25 de dezembro, é dia de celebrarmos o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, salvador dos homens. Talvez você tenha ido à vigília natalina ontem, talvez tenha ido à missa hoje, ou ainda irá. O “horário nobre” do natal, claro, é a vigília, para comemorarmos aquela noite fria de inverno em Belém, cidade de Davi, “a menor entre as cidades” (Mt 2,6), na qual nasceu o Rei do Universo. Aquela noite em que os anjos cantaram “Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina)” (Lc 2,14).

Durante o advento, nos preparamos para essa celebração, mas também para a segunda vinda, gloriosa, de Cristo Jesus, quando então alcançaremos, pelos méritos d’Ele, mas também pela plena aceitação do Evangelho, o Novo Céu e a Nova Terra (Catecismo da Igreja Católica [CEC] 2006-2011, 1987-1995, esp. 1993; Declaração Conjunta [católico-luterana] sobre a Doutrina da Justificação). Assim como celebramos hoje o cumprimento das profecias do Antigo Testamento, sabemos também que as do Novo Testamento se cumprirão, e precisamos estar de pé quando Cristo voltar (Lc 21,27.34-36). Mas como estaremos de pé nesse dia, e não caídos no pecado?

“Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.” (Mc 16,16) Contudo, a fé sem obras é morta (Tg 2,17), e a fé age mediante a caridade (Gl 5,6). Não é com nossas riquezas, sejam elas materiais, intelectuais ou falsamente morais, que entraremos no Reino de Deus, pois “é difícil para um rico entrar no Reino dos Céus!” (Mt 19,23). Ao contrário, bem-aventurados são aqueles “que têm um coração de pobre, pois deles é o Reino dos Céus!” (Mt 5,3) A Virgem Maria, sob inspiração do Espírito Santo, disse do Senhor (Lc 1,50-53):

Sua misericórdia se estende, de geração em geração,
sobre os que o temem,
Manifestou o poder do seu braço:
desconcertou os corações dos soberbos.
Derrubou do trono os poderosos
e exaltou os humildes.
Saciou de bens os indigentes
e despediu de mãos vazias os ricos.

Verdadeiramente, foi entre os pobres que Jesus Cristo nasceu, e foi no meio deles que viveu – ao contrário, os poderosos e os grandes de seu tempo o rejeitaram, como em geral fazem os grandes e os poderosos até hoje. Nós também temos a opção de ficar ao lado daqueles que mais necessitam, espiritual ou materialmente, nossa ajuda (Mt 25,31-40):

Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estão à direita: – Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim. Perguntar-lhe-ão os justos: – Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos? Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar? Responderá o Rei: – Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes.

Você talvez tenha ido à missa e presenciado a ação litúrgica no sacramento da Eucaristia e na Palavra. Porém, é preciso que você viva a liturgia a cada dia – liturgia é uma palavra que vem do grego e significa serviço do povo e para o povo. Deus, servindo-nos na pessoa de Cristo, é o grande liturgo, e nós devemos imitá-lo, participando de sua obra (CEC, 1069). “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos muito amados. Progredi na caridade, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor.” (Ef 5,1s) É no sacrifício diário por nosso próximo que encontraremos Cristo, e estaremos de pé diante d’Ele, pois Ele está nos que necessitam, e, quando os servimos, servimos a Deus e O imitamos. Vivamos a presença de Jesus em nossas vidas!

Advento

Já chegamos à metade da primeira semana do advento. Novo tempo para a Igreja, que inicia mais um ano litúrgico, e que deve ser novo tempo para cada um de seus membros. Preparamo-nos agora para celebrar a primeira vinda de Jesus Cristo, o Filho de Deus, enquanto aguardamos que retorne em sua glória (Prefácio Eucarístico do Advento I). Espero que tenha ido à missa do domingo passado, primeiro desse novo tempo, e, se você não pôde ir, não tarde em procurar e beber da fonte da vida cristã, a liturgia, o serviço de Deus e dos homens, em especial a Sagrada Eucaristia (CEC, 1069-1070; SC, 7-10).

Se você foi à missa, ouviu a leitura do Evangelho, que diz: “Então, verão o Filho do Homem vir sobre uma nuvem com grande glória e majestade. […] Velai sobre vós mesmos, para que os vossos corações não se tornem pesados com o excesso do comer, com a embriaguez e com as preocupações da vida; para que aquele dia não vos pegue de improviso. Como um laço cairá sobre aqueles que habitam a face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos esses males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do Homem.” (Lc 21,27.34-36)

E como poderemos nos apresentar de pé diante de Cristo, quando retornar em sua glória? Sendo “imitadores de Deus, como filhos muito amados” (Ef 5,1) e membros de seu corpo, que é a Igreja. “Certamente, ninguém jamais aborreceu a sua própria carne; ao contrário, cada qual a alimenta e a trata, como Cristo faz à sua Igreja – porque somos membros de seu corpo.” (Ef 5,29s). São Cirilo de Jerusalém, falando sobre recebermos o corpo e o sangue de Cristo na eucaristia, disse que o fiel se torna, “tomando o corpo e o sangue de Cristo, concorpóreo e consangüíneo com Cristo. Assim nos tornamos portadores de Cristo (cristóforos), sendo nossos membros penetrados por seu corpo e sangue. Desse modo, como diz o bem-aventurado Pedro, ‘tornamo-nos partícipes da natureza divina’ [2Pd 1,4].” (S. Cirilo de Jerusalém, quarta catequese mistagógica, 3.)

Dessa maneira, somos conformados à imagem de Cristo, para o que fomos predestinados (Rm 8,29), e ouvimos as palavras do apóstolo:

Renunciai à vida passada, despojai-vos do homem velho, corrompido pelas concupiscências enganadoras. Renovai sem cessar o sentimento de vossa alma, e revesti-vos do homem novo, criado à imagem de Deus, em verdadeira justiça e santidade. [Ef 4,21-24]

“O Deus da paz vos conceda santidade perfeita. Que todo o vosso ser, espírito, alma e corpo, seja conservado irrepreensível para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo!” (1Ts 5,23)

A sacramentalização do rito

É consabido que o Concílio Ecumênico Vaticano II introduziu reformas na liturgia católica e também no modo de agir com as igrejas separadas. Alguns setores tradicionalistas, em que pese, digamos, o grande risco de cisma, não aceitaram as decisões conciliares e resolveram promover uma guerra contra toda e qualquer renovação na Igreja, sob o pretexto de defendê-la da “heresia modernista” e da “apostasia silenciosa”. Incorrem em diversas contradições, contudo.

É verdade que os riscos modernistas e silenciosamente apóstatas foram salientados por papas passados, e muito convenientemente. Contudo, quando grupos como a Fraternidade Sacerdotal São Pio X (FSSPX) dizem defender a Igreja da própria Igreja, estão eles combatendo uma apostasia, ou criando eles mesmos uma apostasia? Estão combatendo um modernismo pernicioso, ou cultivando um tradicionalismo pernicioso?

A FSSPX e a liturgia

Em que pese a FSSPX e os tradicionalistas em geral falarem também de outros assuntos, a questão principal é sempre a liturgia. Veja-se a apresentação da “tradução informal para o português” de Acuso o Concílio, publicada pela FSSPX no Brasil:

Dom Lefebvre atraiu a atenção do mundo por sua oposição às mudanças que se faziam na Igreja em nome do Concílio Vaticano II. Textos ambíguos, aprovados pela possibilidade de uma interpretação ortodoxa, eram invocados depois para justificar uma interpretação heterodoxa. As reformas na liturgia tinham implicâncias teológicas capazes de adulterar a fé. Logo, não eram lícitas.

Ressalte-se que Constituição Sacrosanctum Concilium, sobre a reforma da liturgia, foi aprovada com 2.147 votos favoráveis e apenas 4 contrários. Ou seja, foi certamente a expressão da vontade dos pastores da Igreja Católica, não por uma estreita maioria, mas por um consenso do qual discordaram quase que apenas os que se separaram da Sé romana.

Os que seguem tal fraternidade afirmam, em primeiro lugar, que se trataria de uma fórmula com 2.000 anos de existência. É mentira. O rito aprovado por pelo papa São Pio V foi, justamente, aprovado por este papa, em conformidade com a doutrina sobre o Sacrifício [Eucarístico] da Missa, do Concílio de Trento, de 17 de setembro de 1562. A promulgação do rito data de 8 anos depois, 1570. Portanto, é um rito mais ou menos fixado há 442 anos e que não impediu a celebração de diversos outros ritos, como, por exemplo, o ucraíno e o ambrosiano. Trata-se de uma fixação do rito romano e de sua extensão por toda a parte onde não se usasse tradicionalmente um rito diferente.

Historicidade do rito romano tradicional

Qual a finalidade de se fixar uma determinada fórmula para celebração da Missa, e ainda obrigar que seja dita em latim, em vez da língua local? Simplesmente porque, no século XVI, o uso do vernáculo se misturava aos ímpetos cismáticos dos que viam, na autoridade do papa, uma espécie de ditadura romana. Isso levou a cismas, heresias e até mesmo guerras, como a guerra camponesa na Alemanha nos anos 1520 (não por acaso, logo no início da reforma luterana). A língua litúrgica e a autoridade dos príncipes se misturaram e resultaram em que, a meados daquele século, os príncipes do Sacro Império Romano-Germânico pudessem impor a profissão de fé de Augsburgo (luterana) ou a romana. Mesmo em tais condições, o Concílio de Trento estabeleceu:

Ainda que a Missa inclua muita instrução para o povo fiel, sem dúvida não pareceu conveniente aos Padres que ela seja celebrada em todas as partes em língua vulgar. Por este motivo, ordena o Santo Concílio aos Pastores e a todos que tenham cura de almas, que conservando em todas as partes o ritual antigo de cada igreja, aprovado por esta Santa Igreja romana, Mãe e Mestra de todas as igrejas, com a finalidade de que as ovelhas de Cristo não padeçam de fome, ou as crianças peçam pão e não haja quem o reparta, exponham freqüentemente por si ou por outros, algum ponto dos que se leêm na Missa, no tempo que esta se celebra entre os demais, declarem especialmente nos domingos e dias de festa, algum mistério deste santíssimo sacrifício.

Ou seja, decidiu que ela não seja “celebrada em todas as partes em língua vulgar”, mas que se exponha freqüentemente (em língua vulgar) “algum ponto dos que se lêem na Missa”. Mais adiante, no mesmo documento sobre a doutrina da Missa, condenam-se apenas os que defendem “que a Missa deve ser dita sempre em língua vulgar” (cânon IX).

Ademais, o rito sofreu alterações posteriores, incluindo a oração a São Miguel Arcanjo que, por determinação do Papa Leão XIII passou a ser rezada ao final da Missa a partir de 1886 (há 126 anos).

Missa e signos

O ritual da Missa é essencialmente a significação do sacrifício de Cristo. Ou seja, o sacrifício eucarístico, instituído diretamente por Deus, é atualizado através de sinais visíveis. Esses sinais, por sua vez, derivam diretamente das palavras proferidas por Jesus na última ceia, em que instituiu sua memória, a atualização do sacrifício, e o sacerdócio dos apóstolos. Tais palavras foram provavelmente ditas em aramaico, língua corrente na Palestina daquela época. Foram escritas no evangelho em grego. Daí, foram vertidas para o latim. Não perderam, contudo, seu significado, quer dizer, transmitem ainda hoje o sinal da morte e da ressurreição do Deus Vivo. Instituem verdadeiramente a Eucaristia, o sacrifício divino em favor dos pecadores, não pelo poder das palavras, mas pelo poder sacerdotal que Deus confere aos presbíteros e pastores da Igreja universal. Para que os sinais do verdadeiro e real sacrifício presente na missa sejam recebidos pelos fiéis, é necessário que estes compreendam o que é feito, como diz a constituição conciliar mais recente:

11. Para assegurar esta eficácia plena, é necessário, porém, que os fiéis celebrem a Liturgia com rectidão de espírito, unam a sua mente às palavras que pronunciam, cooperem com a graça de Deus, não aconteça de a receberem em vão. Por conseguinte, devem os pastores de almas vigiar por que não só se observem, na acção litúrgica, as leis que regulam a celebração válida e lícita, mas também que os fiéis participem nela consciente, activa e frutuosamente.

Portanto, para que não haja um involuntário sacrilégio, é necessário que o fiel participe do sacrifício no sentido de compreendê-lo e apreendê-lo. Para que o uso da língua vernácula, “de grande utilidade para os fiéis”, não excedesse sua função, a mesma constituição determina que o texto traduzido deva ser aprovado pelo Vaticano (n.º 36).

O Concílio Vaticano II e os ritos já estabelecidos

Ademais, o mais recente concílio não teve propósito de alterar a fé, e sim de reafirmá-la e atualizar sua expressão. No tocante aos ritos, assim prescreve:

4. O sagrado Concílio, guarda fiel da tradição, declara que a santa mãe Igreja considera iguais em direito e honra todos os ritos legitimamente reconhecidos, quer que se mantenham e sejam por todos os meios promovidos, e deseja que, onde for necessário, sejam prudente e integralmente revistos no espírito da sã tradição e lhes seja dado novo vigor, de acordo com as circunstâncias e as necessidades do nosso tempo.

Deixemos ao próprio concílio falar a respeito de seus objetivos pastorais na reforma da liturgia:

1. O sagrado Concílio propõe-se fomentar a vida cristã entre os fiéis, adaptar melhor às necessidades do nosso tempo as instituições susceptíveis de mudança, promover tudo o que pode ajudar à união de todos os crentes em Cristo, e fortalecer o que pode contribuir para chamar a todos ao seio da Igreja. Julga, por isso, dever também interessar-se de modo particular pela reforma e incremento da Liturgia.

Separar-se da fé católica dizendo defender a tradição contra o “modernismo” do Concílio Ecumênico Vaticano II é, portanto, tentar transformar a forma litúrgica (o rito) em um falso sacramento, como se tivéssemos na tradição uma forma ritual instituída diretamente por Deus, e não sinais visíveis do real sacramento eucarístico. E querer retirar dos sinais visíveis a possibilidade de ter receptores entre os fiéis leigos é querer retirar destes a possibilidade de acederem à realidade do sacrifício do Deus Vivo presente na Missa.

Querem continuar a celebrar conforme o missal antigo? Não há problema, ele continua sendo válido, pois obedece plenamente ao que é imutável. É uma das “duas formas da única lex orandi da Igreja de rito latino.” Porém, não podemos sacralizar o que está sujeito à mudança. A língua latina evoluiu. As palavras de Cristo foram vertidas para essa língua. A Missa evoluiu, mesmo no rito de S. Pio V. Os sinais continuaram lá. Agora temos uma outra forma, preferível porque atinge mais pessoas e é capaz de reunir mais fiéis em torno do sagrado sacrifício. Não há uma oposição que se possa fomentar, pois também nessa nova forma os sinais continuam. Quem quer que a Missa perca seu sabor para o povo? “O sal é uma coisa boa, mas se ele perder o seu sabor, com que o recuperará? Não servirá nem para a terra nem para adubo, mas lançar-se-á fora. O que tem ouvidos para ouvir, ouça!” (Lc 14,34-35)