Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Arquivo de postagens

Liturgia em tempos de coronavírus (2): por uma espiritualidade litúrgica na quarentena

Longe de mim insinuar que é bom estar distante da comunhão real do corpo e do sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo – é comendo desse Pão e bebendo desse Cálice que somos salvos (v. Jo 6,47-58), ele é o alimento que nos conforma a Cristo, que nos torna “concorpóreos e consagüíneos com Cristo”, nas palavras de São Cirilo de Jerusalém (Quinta catequese mistagógica, 3). Porém, é preciso desenvolver uma espiritualidade também litúrgica para esses tempos de pandemia e de quarentena.

Sacerdote eleva o Cálice do Sangue de Cristo. Foto: Circe Denyer.

Os enfermos não estão separados do corpo de Cristo, mesmo quando não podem comparecer à celebração eucarística – e a comunhão fora da Missa torna mais perfeita a união mística. Quem já recebeu Jesus sacramentado quando estava enfermo sabe da felicidade de ver Jesus Cristo vindo ao seu encontro. Mas, mesmo os enfermos que não podem receber Jesus fisicamente continuam unidos à Igreja, que é o corpo de Cristo.

Hoje vivemos todos como esses enfermos impedidos de receber o sacramento do altar. Jesus Cristo, presente sob a aparência do pão e do vinho, a cabeça do nosso corpo, está separado de nós. E a separação de um membro provoca dor. Dessa maneira, convém unirmos a ele a nossa dor na separação. Contudo, não estamos totalmente separados da própria Eucaristia – que é ação de graças – e da vida eucarística – que vai muito além da presença na Missa:

O sacerdote ministerial, pelo poder sagrado de que goza, forma e rege o povo sacerdotal, realiza o sacrifício eucarístico na pessoa de Cristo e O oferece a Deus em nome de todo o povo. Os fiéis, no entanto, em virtude de seu sacerdócio régio, concorrem na oblação da Eucaristia e o exercem na recepção dos sacramentos, na oração e ação de graças, no testemunho de uma vida santa, na abnegação e na caridade ativa. (Constituição dogmática Lumen Gentium, n. 10)

Se não podemos exercer nosso sacerdócio régio na recepção dos sacramentos, então nos esforcemos “na oração e ação de graças, no testemunho de uma vida santa, na abnegação e na caridade ativa”.

Liturgia em tempos de coronavírus (1)

Foto de crucifixo.
Foto: João Martinho/Wikimedia.

Hoje foram suspensas as missas na capital federal. Para preservar vidas, é necessário isolar-se fisicamente, mas não espiritualmente. A liturgia (λειτουργια: serviço público) é serviço divino para o povo – Deus serve o povo na cruz. Deus se serve ao povo na cruz.

A liturgia de que participamos é essa, que nasce da cruz. Nossa cruz, hoje, além da ansiedade e da doença, é o isolamento – vivê-lo em santidade é também unir-se a Jesus Cristo crucificado.

O Advento de Jesus Cristo

Embed from Getty Images

Estamos no tempo do Advento. Nele vivemos, é claro, a alegre expectativa do nascimento de Jesus Cristo. Mas, não só isso. Nele nos preparamos para a segunda vinda, gloriosa, de Jesus, que virá para julgar os vivos e os mortos. Não é à toa que a cor litúrgica é a roxa: a mesma cor da quaresma, a preparação para a morte e ressurreição do Cristo. Acompanhemos a Liturgia — nesse tempo, “as leituras do Evangelho têm uma característica própria: refere-se à vinda do Senhor no final dos tempos (primeiro domingo), a João Batista (segundo e terceiro domingos), aos acontecimentos que preparam de perto o nascimento do Senhor (quarto domingo).” (Introdução ao Lecionário, n.º 93)

No primeiro domingo:

Naquele tempo disse Jesus a seus discípulos: Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas. Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima.

Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das preocupações da vida, e esse dia não caia de repente sobre vós; pois esse dia cairá como uma armadilha sobre todos os habitantes de toda a terra. Portanto, ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficardes em pé diante do Filho do Homem. (Lc 21,25-28.34-36)

Do segundo domingo:

E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados, como está escrito no Livro das palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus”. (Lc 3,1-6)

Do terceiro domingo:

Por isso, João declarou a todos: “Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo. Ele virá com a pá na mão: vai limpar sua eira e recolher o trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga.” (Lc 3,16s)

E, finalmente, do quarto domingo:

Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia. Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou:

“Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar?
Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu.” (Lc 1,39-45)

Como vemos, o Evangelho do primeiro domingo diz claramente que Jesus virá, e insta à conversão, à preparação para o momento em que ficaremos diante do Cristo Juiz: “ficai atentos e orai a todo momento, a fim de terdes força para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficardes em pé diante do Filho do Homem”.

Na proclamação do terceiro domingo, de forma semelhante, João Batista afirma: “Ele virá com a pá na mão: vai limpar sua eira e recolher o trigo no celeiro; mas a palha ele a queimará no fogo que não se apaga.” Esse não é o momento da manjedoura, mas o momento da vinda gloriosa, o momento do julgamento. É preciso ser dócil ao ensinamento divino e buscar a conversão, pois “Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo“, isto é, seremos mergulhados no Espírito Santo (pelo batismo sacramental) e também no fogo da provação, para nos purificarmos. E, no segundo domingo, vemos que São João Batista pregava a conversão do coração, lembrando as palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus” — devemos preparar o nosso coração para a chegada do Cristo Salvador.

No quarto domingo, enfim, temos o momento da expectativa pela chegada iminente do Menino-Deus, quando São João Batista pula dentro do ventre de Santa Isabel à chegada do Messias e de sua mãe, a Virgem Maria. No Evangelho lemos então um dizer importante nas palavras da prima de Nossa Senhora: “Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. Claro que isso valia imediatamente para a Mãe de Deus. Mas, vale também para nós, agora: se acreditarmos e nos mantivermos firmes na fé, no que já aconteceu quando Jesus Cristo estava neste mundo, no que acontece hoje na Igreja, e na promessa do Céu, então isso tudo será cumprido e veremos em plenitude a glória de Deus.

Assim seja!

São José Operário

Hoje, dia do trabalho, é dia de refletir sobre o mistério do homem participando da criação de Deus. É nesse dia que celebramos a memória de S. José, esposo da Virgem Maria, sob o aspecto do trabalhador. Interessante refletir sobre o hino das laudes:

Anuncia a aurora do dia,
chama todos ao trabalho;
como outrora em Nazaré,
já se escutam serra e malho.

Salve, ó chefe de família!
Que mistério tão profundo
ver que ensinas teu ofício
a quem fez e salva o mundo!

Habitando agora o alto
com a Esposa e o Salvador,
vem e assiste aqui na terra
todo pobre e sofredor!

Ganhe o pobre um bom salário,
e feliz seja em seu lar;
gozem todos de saúde
com modéstia e bem-estar.

São José, roga por nós
à Trindade que é um só Deus;
encaminha os nossos passos,
guia a todos para os céus.

Quando Deus criou o mundo, disse ao homem: “Frutificai – disse ele – e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.” (Gn 1,28b-c) Aliás, “o Senhor Deus tomou o homem e o colocou no jardim do Éden, para cultivar o solo e o guardar.” (Gn 2,15) Sem o homem, a terra seria vazia e estéril (Gn 2,5). Quando, porém, o homem e a mulher pecaram, o trabalho, que deveria ser participação alegre e suave na obra divina, se tornou penoso, e o objeto do trabalho, como que um inimigo diante do homem (Gn 3,17-19).

O trabalho, pois, deve ser digna participação na obra divina, e tudo aquilo que o torna penoso é participação no pecado. A importância do trabalho é tamanha que o próprio Deus quis se tornar um trabalhador. Os governos e empregadores devem se esforçar ao máximo para que os trabalhadores tenham dignas condições de vida e de trabalho, e os trabalhadores devem procurar tais condições com alegria e altivez, pois tomam parte da obra de Deus. Neste ano de eleições, esse é um dos aspectos que devemos considerar ao escolher nossos candidatos, ao lado da defesa da vida, do nascituro, da infância, do meio ambiente, da dignidade da condição humana em geral, assim como da liberdade de consciência e de religião, para que possamos sempre professar nossa fé com liberdade e em público.

Para finalizar, deixo aqui as preces e a oração do dia (chamada coleta) para as laudes de hoje:

Oremos humildemente ao Senhor, de quem procede toda perfeição e santidade dos justos; e digamos:
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Senhor Deus, que chamastes os nossos pais na fé para caminharem na vossa presença com um coração perfeito, fazei que, seguindo os seus passos, alcancemos a perfeição de acordo com a vossa vontade.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Vós, que escolhestes São José, homem justo, para cuidar de vosso Filho na infância e juventude, fazei que sirvamos em nossos irmãos e irmãs o Corpo místico de Cristo.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Vós, que destes a terra aos seres humanos para que a povoassem e dominassem, ensinai-nos a trabalhar corajosamente neste mundo, buscando sempre a vossa glória.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!
Pai de todos nós, lembrai-vos da obra de vossas mãos, e dai a todos trabalho e condições de vida digna.
R. Santificai-nos Senhor, segundo a vossa justiça!

E agora, obedientes à vontade de nosso Senhor Jesus Cristo,ousamos dizer:
Pai nosso que estais nos céus,
santificado seja o vosso nome;
venha a nós o vosso reino,
seja feita a vossa vontade,
assim na terra como no céu;
o pão nosso de cada dia nos dai hoje;
perdoai-nos as nossas ofensas,
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido,
e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do mal.

Oremos:
Ó Deus, criador do universo, que destes aos homens a lei do trabalho, concedei-nos, pelo exemplo e a proteção de São José, cumprir as nossas tarefas e alcançar os prêmios prometidos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Natal em nossas vidas!

Primeiro, claro, um feliz natal a todos vocês! Hoje, 25 de dezembro, é dia de celebrarmos o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, salvador dos homens. Talvez você tenha ido à vigília natalina ontem, talvez tenha ido à missa hoje, ou ainda irá. O “horário nobre” do natal, claro, é a vigília, para comemorarmos aquela noite fria de inverno em Belém, cidade de Davi, “a menor entre as cidades” (Mt 2,6), na qual nasceu o Rei do Universo. Aquela noite em que os anjos cantaram “Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina)” (Lc 2,14).

Durante o advento, nos preparamos para essa celebração, mas também para a segunda vinda, gloriosa, de Cristo Jesus, quando então alcançaremos, pelos méritos d’Ele, mas também pela plena aceitação do Evangelho, o Novo Céu e a Nova Terra (Catecismo da Igreja Católica [CEC] 2006-2011, 1987-1995, esp. 1993; Declaração Conjunta [católico-luterana] sobre a Doutrina da Justificação). Assim como celebramos hoje o cumprimento das profecias do Antigo Testamento, sabemos também que as do Novo Testamento se cumprirão, e precisamos estar de pé quando Cristo voltar (Lc 21,27.34-36). Mas como estaremos de pé nesse dia, e não caídos no pecado?

“Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.” (Mc 16,16) Contudo, a fé sem obras é morta (Tg 2,17), e a fé age mediante a caridade (Gl 5,6). Não é com nossas riquezas, sejam elas materiais, intelectuais ou falsamente morais, que entraremos no Reino de Deus, pois “é difícil para um rico entrar no Reino dos Céus!” (Mt 19,23). Ao contrário, bem-aventurados são aqueles “que têm um coração de pobre, pois deles é o Reino dos Céus!” (Mt 5,3) A Virgem Maria, sob inspiração do Espírito Santo, disse do Senhor (Lc 1,50-53):

Sua misericórdia se estende, de geração em geração,
sobre os que o temem,
Manifestou o poder do seu braço:
desconcertou os corações dos soberbos.
Derrubou do trono os poderosos
e exaltou os humildes.
Saciou de bens os indigentes
e despediu de mãos vazias os ricos.

Verdadeiramente, foi entre os pobres que Jesus Cristo nasceu, e foi no meio deles que viveu – ao contrário, os poderosos e os grandes de seu tempo o rejeitaram, como em geral fazem os grandes e os poderosos até hoje. Nós também temos a opção de ficar ao lado daqueles que mais necessitam, espiritual ou materialmente, nossa ajuda (Mt 25,31-40):

Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estão à direita: – Vinde, benditos de meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado desde a criação do mundo, porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim. Perguntar-lhe-ão os justos: – Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer, com sede e te demos de beber? Quando foi que te vimos peregrino e te acolhemos, nu e te vestimos? Quando foi que te vimos enfermo ou na prisão e te fomos visitar? Responderá o Rei: – Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes.

Você talvez tenha ido à missa e presenciado a ação litúrgica no sacramento da Eucaristia e na Palavra. Porém, é preciso que você viva a liturgia a cada dia – liturgia é uma palavra que vem do grego e significa serviço do povo e para o povo. Deus, servindo-nos na pessoa de Cristo, é o grande liturgo, e nós devemos imitá-lo, participando de sua obra (CEC, 1069). “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos muito amados. Progredi na caridade, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou a Deus como oferenda e sacrifício de agradável odor.” (Ef 5,1s) É no sacrifício diário por nosso próximo que encontraremos Cristo, e estaremos de pé diante d’Ele, pois Ele está nos que necessitam, e, quando os servimos, servimos a Deus e O imitamos. Vivamos a presença de Jesus em nossas vidas!