Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Arquivo de postagens

O papa jesuíta

Papa Francisco. Foto: Korea.net / Serviço Coreano de Informação e Cultura (Jeon Han)

Tanto criticam o papa Francisco! O assunto da vez é o instrumento de trabalho do Sínodo sobre a evangelização na Amazônia. Eu li esse instrumento de trabalho, e não vi nenhum erro. Aliás, nem sei porque tanto alvoroço, pois é apenas o instrumento de trabalho do Sínodo, e todo mundo que tiver estudado teologia fundamental sabe qual o lugar de um instrumentum laboris na doutrina da Igreja (e é um lugar muito baixo na hierarquia de documentos do Magistério). O Sínodo pode simplesmente nem tocar em pontos que hoje são polêmicos, mas outros que nem haviam sido imaginados podem surgir. Se eu achei que algumas formulações poderiam ser diferentes, talvez aprimoradas? É claro que achei. É um documento feito para ser debatido, não para causar celeuma.

Mas, acima de tudo, tenho fé na promessa de Jesus Cristo a São Pedro: “tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16,18). E o Pedro de hoje, o papa Francisco, está sendo um papa jesuíta, porque os cardeais elegeram um jesuíta no último conclave. Eu tive oportunidade de conhecer os jesuítas na faculdade de História, na faculdade de Teologia e nas pedras de São Miguel das Missões. Uma bela história de missão, de ir aonde ninguém ia para pregar o Evangelho. Tão bela que despertou a ira dos poderes deste mundo, o que fez a Companhia de Jesus ser expulsa de vários países, inclusive do que viria a ser o Brasil (a indústria foi expulsa daqui na mesma época). Francisco, o papa que buscaram no “fim do mundo”, está sendo esse jesuíta, que vai à África, à Ásia, à Amazônia, aonde o Evangelho precisa ser pregado. É um papa que se faz pobre com os pobres, sofrido com os sofridos – como o próprio Cristo. Quão belo vigário Jesus Cristo escolheu para guiar sua Igreja neste mundo!

A unidade com o papa e os bispos, proteção contra o cisma

Ultimamente tenho recebido mensagens de Whatsapp críticas ao sínodo sobre a Amazônia, algumas delas divulgando palavras dos cardeais Burke e Brandmüller, palavras que infelizmente colocam lenha na fogueira cismática – algumas até com a pretensão de prevenir contra o cisma. Por favor, não ataquem a Igreja, pois eu a amo e vou defendê-la. Ela é a única certeza que podemos ter de estarmos com Jesus Cristo: estamos com ele na união visível por meio do papa e do bispo diocesano. Fora disso, não temos onde nos agarrar para alcançar a Salvação. O texto a seguir, de uma mensagem que enviei hoje, é a síntese do que tenho dito em um grupo de Whatsapp de Brasília:

Não quero estender a polêmica, mas acho que seria bom ilustrar o que quis dizer uns dias atrás sobre a atitude do cardeal Burke – acaba servindo para muitas outras coisas que a gente lê por aí. Respeito muito o reverendíssimo cardeal, reconheço o seu conhecimento teológico e dedicação à Igreja. Não é à toa que foi feito cardeal. Mas, as coisas têm que ser colocadas em seus devidos lugares – para começar, reconhecendo que não sou ninguém para julgá-lo, e, ao mesmo tempo, esclarecendo o que penso.

Na época da polêmica que o cardeal Burke e um punhado de colegas seus criaram acerca das condições para a comunhão eucarística, chegando a divulgar uma carta que o papa não quis responder (e com razão, como me disse um teólogo), eu era aluno desse teólogo, membro da Comissão Teológica Internacional, o qual, por coincidência, era amigo de Burke. A disciplina era justamente Eucaristia. O que ele me falou, conhecendo o cardeal Burke pessoalmente? Que ele é muito zeloso pela doutrina, mas que não estava se comunicando adequadamente, criando uma celeuma desnecessária e contraproducente. Acaba que esses pronunciamentos, que parecem tão zelosos, colocam lenha na fogueira cismática.

Sobre o instrumentum laboris do próximo sínodo, assim como qualquer estudante de Teologia Fundamental, eles mesmos sabem que se trata de um documento de muito pouca importância doutrinária, e que o sínodo provavelmente nem tocará em muitos pontos polêmicos e se concentrará no que realmente interessa. Não vale a pena criar tanta polêmica por um documento assim.

Como disse o papa Bento XVI, a caridade e a verdade sempre devem caminhar juntas. Entretanto, há até quem oponha doutrina e pastoral. Contudo, pastoral é doutrina. Jesus Cristo, que é o Bom Pastor, disse a São Pedro: apascenta o meu rebanho. E o mesmo Cristo garantiu a São Pedro que o mal jamais triunfaria sobre a Igreja que seria erguida sobre essa pedra. Se estou com Pedro (chame-se ele Pio X, João Paulo II, Bento XVI, Francisco – não importa), se estou com o papa estou com a Igreja, e, se estou com a Igreja, sou um membro do Corpo de Cristo, no qual fui enxertado pelo Batismo. Fora disso não há salvação.

Portanto, não tenho medo de estar com o papa Francisco, o que só pode acontecer estando em comunhão com meu arcebispo, D. Sérgio. Eles, aliás, e não eu, receberam de Deus essa incumbência de serem pastores do seu rebanho. Para isso, contam com o auxílio especial do Espírito Santo. Não eu.

Vale recordar a carta Dilectionis vestrae (DH 468), do papa Pelágio II, cerca do ano 585:

Se bem seja claro, pela palavra do próprio Senhor no santo Evangelho, onde está o fundamento da Igreja, ouçamos todavia o que determinou o bem-aventurado Agostinho, lembrado deste mesmo dito do Senhor. A Igreja de Deus, disse, foi fundada sobre aqueles de quem se reconheceu que presidem as Sés Apostólicas [dioceses] por sucessão dos prepostos; e quem quer que se tenha afastado da comunhão ou da autoridade das mesmas Sés [afastando-se do bispo] demonstra estar no cisma. E, depois de outras afirmações, diz: ‘Posto fora, serás morto também para o nome de Cristo. Entre os membros de Cristo, sofre por Cristo, aderindo ao corpo; combate pela Cabeça’.

Mas também o bem-aventurado Cipriano diz entre outras coisas: ‘O início parte da unidade, e o primado foi dado a Pedro, para que a Igreja e cátedra de Cristo se mostre una’; e pastores são todos, mas o rebanho é mostrado como um só, devendo ser levado ao pasto pelos Apóstolos com unânime acordo.

E pouco depois: ‘Quem não respeita esta unidade da Igreja acredita que respeita a fé? Quem abandona a cátedra de Pedro, sobre o qual foi fundada a Igreja, e se lhe opõe, pode confiar de estar na Igreja?’

Não podem parmanecer com Deus aqueles que não quiseram viver em unanimidade na Igreja de Deus: e mesmo se arderem levados a ferro e fogo ou derem a própria vida jogados aos animais ferozes, tal coisa não será a coroa da fé, mas o castigo da infidelidade; nem será a chegada gloriosa, mas a perdição desesperada. Uma tal pessoa pode ser morta, ser coroada não pode.’

‘O crime do cisma é pior que o daqueles que sacrificaram aos deuses; estes, de fato, uma vez constituídos penitentes por seu crime, suplicam a Deus com pleníssimas satisfações. Lá se procura e se pede à Igreja, aqui se faz oposição à Igreja. Lá quem caiu causou dano somente a si, aqui quem tenta fazer um cisma engana a muitos, levando-os consigo. Lá há o dano de uma só alma, aqui, perigo para muitos. O penitente compreende que decerto pecou, lamenta e chora, o outro, inchando-se de seu pecado e comprazendo-se nas próprias culpas, separa os filhos da mãe, subleva as ovelhas contra o pastor, destroi os sacramentos de Deus e, enquanto o que caiu pecou uma só vez, este peca todo dia. Por fim, aquele que caiu, conseguindo mais tarde o martírio, pode receber as promessas do reino; mas este, se for morto fora da Igreja, não pode chegar aos prêmios da Igreja’.

Estejamos, portanto, com D. Sérgio [ou o arcebispo de cada um] e com o Papa Francisco para a nossa salvação!