Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

O cético pertinaz (e o materialista obtuso)

O cético pertinaz - Quinho

A charge acima, publicada no Dom Total, certamente ilustra o pensamento de muita gente, cética por ceticismo, não pela verdade. O autodenominado “cético” costuma ser aquela pessoa que, confrontada com as mais fortes evidências, nega-as por negar, em vez de abrir mão de uma posição antiga e errada. Muitas vezes vemos ateus agirem assim, mesmo quando se diz: então me prove que Deus não existe. Confrontados com o forte “indício” da ausência de provas, em vez de dizerem que não podem comprovar a “verdade” que defendem, agarram-se a ela como ao mastro de um navio que naufraga.

Tampouco quando se confronta a ciência material com seu próprio limite epistemológico – o material – o ateu pertinaz é capaz de ceder. Como pode a matéria criar a si mesma? Onde está essa poética original, capaz de fazer tudo surgir do nada? Transformam assim a matéria no deus que eles abominam, mas não percebem a credulidade necessária para serem incrédulos.

A teologia, diferente das demais ciências, dá à matéria a explicação exterior à matéria, ao menos no sentido criador. Essa, digamos, “onipoiese” teológica é a única explicação da matéria, mesmo para aquele que não professa a fé cristã. Aí vemos a utilidade e os limites das ciências materiais, que nos fazem compreender os mecanismos intrínsecos da matéria e, segundo o método materialista, as condições extrínsecas (objetivas) da vida humana. Ou seja, a utilidade do estudo científico do ponto de vista material reside em elucidar a relação do homem com a natureza, mas não é capaz de excluir Deus e o imaterial (ou espiritual).

Nessa pequena, mas profunda certeza reside a possibilidade de diálogo entre católicos e materialistas, inclusive derrubando uma oposição que traz prejuízos a todos. Reconhecer a espiritualidade não impede de estudar e perceber a materialidade, e vice-versa. A observação da natureza pode ser até mesmo um meio para se chegar a Deus (Catecismo da Igreja Católica, 31-35). Deus nos criou da matéria, mas nos deu também a vida espiritual. Sem uma ou sem outra, não poderíamos dominar a natureza como Ele quer (Gn 1 e 2).



O que você pensa a respeito?

Deixe uma resposta »

Deixe uma resposta