Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Imitando Cristo (4)

Livro I – Avisos úteis para a vida espiritual

Capítulo 4 – Da prudência nas ações

1. Não se há de dar crédito a toda palavra nem a qualquer impressão, mas cautelosa e naturalmente se deve, diante de Deus, ponderar as coisas. Mas, ai! Que mais facilmente acreditamos e dizemos dos outros o mal que o bem, tal é a nossa fraqueza. As almas perfeitas, porém, não crêem levianamente em qualquer coisa que se lhes conta, pois conhecem a fraqueza humana inclinada ao mal e fácil de pecar por palavras.

2. Grande sabedoria é não ser precipitado nas ações, nem aferrado obstinadamente à sua própria opinião; sabedoria é também não acreditar em tudo que nos dizem, nem comunicar logo a outros o que ouvimos ou suspeitamos. Toma conselho com um varão sábio e consciencioso, e procura antes ser instruído por outrem, melhor que tu, que seguir teu próprio parecer. A vida virtuosa faz o homem sábio diante de Deus e entendido em muitas coisas. Quanto mais humilde for cada um em si e mais sujeito a Deus, tanto mais prudente será e calmo em tudo.

“A prudência”, nos ensina a Igreja, “é a virtude que dispõe a razão prática a discernir, em qualquer circunstância, nosso verdadeiro bem e a escolher os meios adequados para realizá-lo” (Catecismo da Igreja Católica, 1806). Jesus Cristo, no Sermão da Montanha, nos ensina a sermos “mansos” para “possuirmos a terra” (Mt 5,5).

O autor da Imitação de Cristo nos coloca claramente diante de uma oposição prudência-precipitação. De maneira semelhante, Tanquerey, em seu Compêndio de teologia ascética e mística (1021-1024), coloca-a primeiramente como uma deliberação madura, após consulta à própria razão e a outras pessoas, um bom julgamento e, finalmente, a realização daquilo que foi deliberado.

Se pensarmos na mansidão de que nos fala Jesus, e se ainda remetermos à palavra hebraica utilizada, veremos que o Sermão da Montanha fala da humildade, da suavidade e da paciência. Trata-se, portanto, da necessidade de agir sem nos apegarmos aos nossos juízos imediatos, nem a nossa volubilidade. Avaliar com desapego as situações que se nos apresentam – desapego das nossas vontades egoístas, de nossos juízos mesquinhos e da satisfação imediata -, para que encontremos então a terra que dá a paz ao povo peregrino, que não encontra lugar neste mundo. É esse repouso que o próprio Cristo promete aos que forem mansos e humildes como ele (Mt 11,29).



O que você pensa a respeito?

Deixe uma resposta »

Deixe uma resposta