Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Elegia da ovelha perdida

Este é o poema (de minha autoria) que declamei ontem no I Sarau da Paróquia e Santuário Nossa Senhora do Carmo (Brasília, DF). Baseia-se na parábola da ovelha perdida, é claro (Lc 15,4-6; Mt 18,12-14), mas também no livro do profeta Ezequiel (cap. 34), na primeira carta de São Paulo aos Coríntios e no Evangelho segundo São João (10,24-29).

É interessante pensar que, para os homens, talvez não haja razões para procurar quem se perdeu — fulano vivia aqui na paróquia, atuava nas pastorais, mas agora não vem nem à missa, dizem até que não quer mais ouvir falar da Igreja. Ou, pior, quantas vezes não somos nós que dispersamos o rebanho de Deus? Quantas vezes não afugentamos outros fiéis? Em vez disso, façamos o bem, mas não nos preocupemos demais quando uma ovelha se desgarrar— oremos, pois Deus “chama as ovelhas pelo nome e as conduz à pastagem.” (Jo 10, 3)

Elegia da ovelha perdida

(Por Leandro Arndt)

Vim fazer uma elegia
No rebanho uma ovelha
Uma ovelha não se via
Por ela, o que faria?

Era ovelha educada
Do Pastor seguia a voz
Ao Pastor acostumada
Jamais será roubada

E nos campos que pastava
Gordos campos de Israel
Sobre a relva repousava
Sua voz ela escutava

A ovelha assim viveu
Já nos campos não se via
Ninguém sabe se morreu
O que foi que aconteceu

Já findava a elegia
Mas eis que o Pastor, um tresloucado
Um Pastor alucinado
Saiu correndo pelos campos

Quem é o louco? – perguntavam
É alguém que pensa pouco
Abandona todo o rebanho
Pela ovelha desgarrada

Tresmalharam meu rebanho!
Dispersaram o que é meu!
Mas nenhuma perderei
Ouvirá o que direi!

Que sandice ele fazia!
Por aquela que não via
Quase cem abandonava!
O mundo assim pensava

Procurarei a que está perdida
Curarei a que está ferida
Reconduzirei a desgarrada
A doente será curada

Me foi tirada em negro dia
Eu ainda vou julgar
Se comigo ela voltar
Será a maior, essa alegria

Ela é minha, ela me ouve
Me conhece e me segue
Eu lhe dou a vida eterna
E jamais perecerá



O que você pensa a respeito?

Deixe uma resposta »

Deixe uma resposta