Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

O papa jesuíta

Papa Francisco. Foto: Korea.net / Serviço Coreano de Informação e Cultura (Jeon Han)

Tanto criticam o papa Francisco! O assunto da vez é o instrumento de trabalho do Sínodo sobre a evangelização na Amazônia. Eu li esse instrumento de trabalho, e não vi nenhum erro. Aliás, nem sei porque tanto alvoroço, pois é apenas o instrumento de trabalho do Sínodo, e todo mundo que tiver estudado teologia fundamental sabe qual o lugar de um instrumentum laboris na doutrina da Igreja (e é um lugar muito baixo na hierarquia de documentos do Magistério). O Sínodo pode simplesmente nem tocar em pontos que hoje são polêmicos, mas outros que nem haviam sido imaginados podem surgir. Se eu achei que algumas formulações poderiam ser diferentes, talvez aprimoradas? É claro que achei. É um documento feito para ser debatido, não para causar celeuma.

Mas, acima de tudo, tenho fé na promessa de Jesus Cristo a São Pedro: “tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16,18). E o Pedro de hoje, o papa Francisco, está sendo um papa jesuíta, porque os cardeais elegeram um jesuíta no último conclave. Eu tive oportunidade de conhecer os jesuítas na faculdade de História, na faculdade de Teologia e nas pedras de São Miguel das Missões. Uma bela história de missão, de ir aonde ninguém ia para pregar o Evangelho. Tão bela que despertou a ira dos poderes deste mundo, o que fez a Companhia de Jesus ser expulsa de vários países, inclusive do que viria a ser o Brasil (a indústria foi expulsa daqui na mesma época). Francisco, o papa que buscaram no “fim do mundo”, está sendo esse jesuíta, que vai à África, à Ásia, à Amazônia, aonde o Evangelho precisa ser pregado. É um papa que se faz pobre com os pobres, sofrido com os sofridos – como o próprio Cristo. Quão belo vigário Jesus Cristo escolheu para guiar sua Igreja neste mundo!



O que você pensa a respeito?

Deixe uma resposta »

Deixe uma resposta