Deixe sua opinião sobre o Caritas in Veritate!

Imitando Cristo

Livro I – Avisos úteis para a vida espiritual

Capítulo 1 – Da imitação de Cristo e desprezo de todas as vaidades do mundo

1. Quem me segue não anda nas trevas, diz o Senhor (Jo 8,12). São estas as palavras de Cristo, pelas quais somos advertidos que imitemos sua vida e seus costumes, se verdadeiramente queremos ser iluminados e livres de toda cegueira de coração. Seja, pois, o nosso principal empenho meditar sobre a vida de Jesus Cristo.

2. A doutrina de Cristo é mais excelente que a de todos os santos, e quem tiver seu espírito encontrará nela um maná escondido. Sucede, porém, que muitos, embora ouçam frequentemente o Evangelho, sentem nele pouco enlevo: é que não possuem o espírito de Cristo. Quem quiser compreender e saborear plenamente as palavras de Cristo é-lhe preciso que procure conformar à dele toda a sua vida.

3. Que te aproveita discutires sabiamente sobre a SS. Trindade, se não és humilde, desagradando, assim, a essa mesma Trindade? Na verdade, não são palavras elevadas que fazem o homem justo; mas é a vida virtuosa que o torna agradável a Deus. Prefiro sentir a contrição dentro de minha alma, a saber defini-la. Se soubesses de cor toda a Bíblia e as sentenças de todos os filósofos, de que te serviria tudo isso sem a caridade e a graça de Deus? Vaidade das vaidades, e tudo é vaidade (Ecl 1,2), senão amar a Deus e só a ele servir. A suprema sabedoria é esta: pelo desprezo do mundo tender ao reino dos céus.

4. Vaidade é, pois, buscar riquezas perecedoras e confiar nelas. Vaidade é também ambicionar honras e desejar posição elevada. Vaidade, seguir os apetites da carne e desejar aquilo pelo que, depois, serás gravemente castigado. Vaidade, desejar longa vida e, entretanto, descuidar-se de que seja boa. Vaidade, só atender à vida presente sem providenciar para a futura. Vaidade, amar o que passa tão rapidamente, e não buscar, pressuroso, a felicidade que sempre dura.

5. Lembra-te a miúdo do provérbio: Os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos de ouvir (Ecl 1,8). Portanto, procura desapegar teu coração do amor às coisas visíveis e afeiçoá-lo às invisíveis: pois aqueles que satisfazem seus apetites sensuais mancham a consciência e perdem a graça de Deus.

Assim começa a Imitação de Cristo, famoso livro de Tomás de Kempis, monge agostiniano do século XV. Parece-me um livro sapiencial, destinado a aconselhar seus leitores – não diferente, nesse único aspecto, de O Príncipe, de seu quase contemporâneo Nicolau Maquiavel. Um estilo que não se encontra muito hoje em dia.

Começa com um chamado à humildade, pois grande característica de Cristo é ter sido humilde, humilde a tal ponto que, sendo Deus, fez-se homem – e, sendo homem, fez-se o menor dentre eles, a ponto de morrer por nós na cruz, no que foi elevado à maior das dignidades e recebeu um nome diante do qual todo joelho se dobra, no céu, na terra e nos infernos (Fl 2,5-11). Se queremos participar da vida de Cristo, percamos então a nossa (Lc 9,23-25) de tal maneira que não sejamos mais nós que agimos, mas Cristo que age em nós (Gl 2,19-20).

Falando de mim mesmo, poderia dizer: de que me serve escrever tais palavras? De nada, se não forem dirigidas a Deus, que pode fazer bom uso delas. É Deus quem pode atrair as pessoas para a Palavra (Jo 6,44-46), não as palavras passageiras de um pecador. Foi bom saber, recentemente, que uma postagem foi recebida assim por uma afilhada minha. Que isso aconteça muitas vezes pela graça de Deus, não por meu esforço! Amém!



O que você pensa a respeito?

Deixe uma resposta »

Deixe uma resposta